Nossa Missão: Ética na relação médico paciente

Desde 1998 atendendo pacientes de Passos e região na Área de Ginecologia e Obtetricia, Reprodução Humana (Infertilidade Conjugal) e Ultrassonografia Feminina, tendo como foco a satisfação da cliente, sempre pautado na ética e na boa relação médico paciente.

Blog do Dr. Fabian
22/01/2010

A saúde da mulher

(Matéria publicada na Revista Foco Magazine de Passos)

Para que a mulher possa ter uma vida saudável ao longo de toda a sua vida, uma série de atitudes preventivas associadas à pré-disposição genética devem ser observadas.   Segundo o ginecologista Fabian Silveira Lemos os cuidados começam na vida intra-uterina. “Para falarmos da saúde da mulher é preciso entender todas as fases da vida, desde a concepção até a velhice”, relata Fabian-formado pela Universidade Federal de Uberlândia com especialização em ginecologia, obstetrícia e reprodução humana pela UFMG. Segundo o médico, os cuidados que a mãe dispensa ao filho durante a gestação serão importantes para que o bebê nasça e cresça saudável. “O pré-natal e o momento do parto vão refletir em toda a vida da pessoa”, disse. Se a mulher se mantém saudável durante a gravidez, evita o uso de álcool e do fumo, tem uma alimentação equilibrada e tranquilidade, terá menos probabilidade de sofrer complicações na gestação e no parto, assim proporcionará mais saúde para o seu filho. Os índices de mortalidade de mulheres grávidas ainda são altos em várias regiões do Brasil, quando comparado com países desenvolvidos.

Infância

Logo após o nascimento, a amamentação é importante para que a criança tenha uma proteção natural contra uma série de doenças. Os testes existentes, como o do pezinho, são importantes, pois auxilia na prevenção de sérias doenças. O leite materno é o alimento completo e fará com que o bebê cresça saudável. O primeiro ano de vida é fundamental para o desenvolvimento do cérebro, motivo pelo qual deve ser garantida uma alimentação adequada para se evitar a desnutrição.

Os cuidados essenciais na infância são relativos às infecções, que podem deixar seqüelas. Por isso, a vacinação é de extrema importância, pois evita a incidência de doenças como sarampo, meningite, varíola, poliomielite entre outras.

No quesito emocional, um dos grandes problemas dessa fase é o abuso sexual. As sequelas são para toda a vida e podem desenvolver na mulher uma série de complicações psicológicas e no relacionamento sexual. Os pais precisam estar atentos ao comportamento da criança e saber que, geralmente, esse ato ocorre entre as pessoas do convívio familiar.  É importante buscar ajuda de profissionais para minimizar os traumas.

 Juventude

A educação sexual nessa fase é fator importante para que a mulher evite uma gravidez indesejável, o que vai mudar toda a sua vida, bem como uso rotineiro do preservativo na prevenção das doenças sexualmente transmissíveis como a AIDS.

A partir dos 12 nos, a mulher pode fazer uso da vacina que atua na prevenção do câncer do colo do útero. O grande problema é o custo, ainda alto para a maioria da população.

As mulheres que tem doenças crônicas como diabetes ou hipertensão devem fazer o controle das mesmas. A atividade física é de extrema importância em qualquer idade.

 A visita anual ao ginecologista é importante, tanto para a prevenção do câncer uterino e das mamas como para o uso adequado de métodos contraceptivos, como a pílula anticoncepcional, se a mulher tem vida sexual ativa e não quer engravidar.

 Maioridade

A partir dos 40 anos, a mulher  deve, além do câncer ginecológico, estar atenta quanto à prevenção do câncer do intestino, principalmente se tem casos na sua família. Para isso indica-se uma visita ao coloproctologista. Outro momento marcante é a menopausa, onde as mulheres têm uma queda na produção dos hormônios femininos, o que traz conseqüências para a sua vida. Segundo Fabian, a reposição hormonal deve ser avaliada caso a caso, principalmente, se há incidência de câncer na família. “Há casos de reposição que a mulher terá mais qualidade de vida e em outros o risco à saúde será maior”, disse o médico.  

Fabian alerta para a mudança dos hábitos alimentares, onde as meninas estão substituindo o leite por outros líquidos como o refrigerante. Leite e seus derivados, ricos em cálcio, são importantes desde a infância para evitar a osteoporose, além é claro, da prática regular de exercícios físicos.

Outro agravante desse período pode ser a depressão. Com os filhos já crescidos e com o vazio gerado por esse fato, muitas mulheres acabam por entrar em depressão. Essa fase exige cuidados especiais. Segundo Fabian, cresce assustadoramente o uso de antidepressivos por mulheres. O acompanhamento médico é essencial.

A partir dos 50 anos o controle das doenças cardiovasculares e de seus fatores de risco como o cigarro, a pressão alta, o diabetes, a falta de exercícios físicos, a obesidade, o colesterol é essencial, pois tais doenças são as que mais matam e estão cada vez mais comuns nas mulheres. Após 60 anos o controle da osteoporose também é medida relevante para se evitar as fraturas no quadril.

 Velhice

“Os cuidados ao longo da vida faz com que a mulher chegue à velhice saudável, o que seria o ideal; embora nem sempre possível”, disse o médico. Se a mulher chegou à velhice com qualidade de vida, é importante nessa fase a manutenção das atividades físicas com os períodos de descanso. As atividades criadas nessa fase têm importância fundamental para que a mulher se sinta ativa. “Teríamos uma velhice de qualidade se cada pessoa mantivesse as suas metas de vida, se mantivesse atuante aos 70, 80 ou mais. É importante para a saúde da mulher que ela tenha metas, projetos de vida”, finalizou Fabian.